Maria


Os ombros quase descobertos deixavam que um pequeno pedaço da alça do seu soutien os contornassem, ficava eu a ver. Seria só para mim? O pescoço afagado pelo cabelo curto cheirava ao sorriso dela, Maria recortava-se delicada, só havia ela, onde quer que estivéssemos, suave, energética, determinada, orgulhosa, altiva, para mim ela dançava por detrás do balcão, e só o seu olhar de soslaio fazia com que parasse. Os volumes do seu corpo que a roupa deixava ver matavam-me, misteriosas. Como seria o seu corpo? Como seriam os seios? As costas? E isso era assim todo o dia. Mesmo quando esperávamos numa fila. Talvez não se importasse. Estaria a exagerar? No dia em que ela entrou no café foi como uma salto, um empurrão, um pontapé, “És tu” – diz o corpo todo – “encontrei-te”, desde o brilho nos olhos até ao sorriso, o meu estômago eram só pilhas, repetido o olhar sobre ela, recuando, voltando a olhar, em voltas e reviravoltas constantes, incontáveis.

O Fraco, 7ªParte

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s