ninguém sabia que serias tu


ninguém imaginaria que serias tu a fechar a porta. Quando a aldeia a construiu, a casa da tua família, fê-lo a preceito, com a satisfação de quem ajuda e é útil, não sei se com o coração ou com outro sentimento, no fim albergou dezenas de pessoas, centenas passaram por ali e muito mais se passou entre aquelas paredes. A casa é pequena, mal construída e confortável só no Verão. Mas é a casa, a tua, a quem fechas a porta pela última vez, sem brilho, sem sentimento, nem sabendo que o fazes. Nem sabemos se um dia alguém a recordará ou a repovoará.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s