Somos gaivotas


Se eu fosse gaivota também não partiria. Poderia sobrevoar outros lugares vizinhos, mas regressaria à minha praia, ao meu vento e ao meu mar.

No fim, somos todos gaivotas. Regressamos para descansar. Sem lamentos. Sem discussões. Nem sorrisos. Só uma cara lavada, de corpo cheio, olhar intenso e um ligeiro brilho. Voltamos sempre à nossa praia, ao nosso vento, ao nosso mar. Para morrer ou descansar. Sem sorriso nem festa.

Podemos afastar-nos do nosso quintal, percorrer lugares vizinhos, mas regressa-se para ficar. Regressa-se com tudo, com os olhos e o corpo por inteiro, sem pressa nem fanfarra, só essa  serenidade de quem já tudo viu e nada lhe interessa do que a humanidade.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s