Espera-se


Espera-se que a morte a leve
pois já lhe lambe os pés

Até lá, que não lhe falte nada.
Merece não sei,
quem já carrega tal desgraça e tais anos
merece aquele cuidado enquanto a espera.

Eu não lhe disse nada,
o semblante pesado escorraçou-me.
se pudesse, o que lhe teria dito?

Que a morte não se sente,

que o mundo lá fora já não é o seu

já não o reconhece, já não sabe viver aqui

tudo se tornou difuso para ela

mas não para a morte

ou que a vida não nos serve para nada, ou que nada é eterno, só a natureza sobrevive,

as preocupações, os azares, as alegrias, os lugares, as preocupações, agora, não fazem sentido.

já me cansei de viver, disse-me em surdina.

Tivesse eu poder para lhe dar a morte,

dar-lha-ia sem pensar.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s